Google+ Badge

domingo, 25 de outubro de 2015

Petição pública tem 1,5 mil assinaturas


O conselheiro Nelson Chaves argumenta que a transferência da área do Aeroclube ao município de Belém seria feita com cuidado e com segurança, ouvidas as autoridades do setor, entre as quais a Infraero. Ele observa que, nas cidades brasileiras, estão sendo “asfixiadas e estranguladas” as áreas nas quais há a possibilidade da população usufruir de espaços livres e de parques de múltipla utilização. No caso de Belém, por exemplo, Nelson Chaves observa que isso pode ser verificado em fotografias aéreas, muitas vezes divulgadas por O LIBERAL. Nelson Chaves afirma que, na área ambiental, Belém deveria ser exemplar para o resto do mundo. “Nós estamos na Foz do Amazonas e, em nossa região, simbolicamente temos que considerar o homem, a água e a floresta. Essas áreas verdes estão cada vez mais diminuídas, quer pela especulação imobiliária, quer para a ocupação desordenada de cidades que não obedecem seus planos diretores. De sorte que eu penso que, na equação desse problema - transferência do Aeroclube e resgate dessa área - teremos condição de dar uma possibilidade de uma vida de maior conforto para a população em geral - tanto faz a criança, o jovem, o adulto, o idoso, os portadores de necessidades especiais. Um espaço para prática de diversas atividades (esportivas, culturais), ou para lazer. Isso certamente nossos engenheiros, arquitetos, projetistas, agrônomos, paisagistas encontrariam uma forma de projetar e executar um projeto em que essas aspirações todas possam ser contempladas e atendidas”, acrescenta.
Mas a quem caberia administrar o parque? “Nossa possibilidade é fazer com que a cidade de Belém seja presenteada com aquilo que outrora foi uma área sua. É o nível municipal. Mas nada impede que, para a execução de um parque desses, nós tentemos fazer a colaboração de todas as esferas de poder. Municipal, estadual e federal, porque, em última análise, nós todos merecemos a atenção do governo federal, estadual e municipal, especialmente quando é uma possibilidade em que todos ganharão, preocupados com a qualidade de vida do cidadão de Belém”, afirma.
Nelson Chaves diz que o Aeroclube está localizado em uma área não sujeita a inundações. “E qualquer projeto de mobilidade urbana não passa por essa área. A simples rearborização dessa área já daria uma ilha de conforto fantástica para a cidade de Belém, quanto mais que nós possamos concretizar essa ideia na implementação de um parque, como as grandes cidades normalmente lutam para ter, como o Ibirapuera, em São Paulo, por exemplo. Não estamos prejudicando, toda a cidade ganhará. Não se pode sonhar com a concretização de um parque desses da noite para o dia. Mas é uma coisa que tem começar e ao longo de cinco, dez anos estará a ideia concretizada”, diz.
O conselheiro do TCE afirma “festejar” a sugestão do jurista Zeno veloso, com quem ele foi deputado estadual, para quem o Parque de Belém deverá ser denominado “Parque Juscelino Kubitschek”. “Ele (o presidente Juscelino) tirou o Pará do isolamento, com a construção da Belém-Brasília. É uma sugestão que achei extremamente feliz”, afirma. Nelson Chaves também defende que a população seja consultada para dizer quais atividades devem ser implementadas no parque. Sobre a repercussão de sua proposta na sociedade, ele afirma o seguinte: “O grande suporte que nós temos é a sensibilização da sociedade pelos apoios recebidos. Agora estamos na situação de aguardar apenas uma decisão política. Já falei pessoalmente com o prefeito Zenaldo Coutinho e com o governador Simão Jatene. E me enderecei, por ofício, à presidente Dilma”. Há também uma petição pública na internet, com quase 1.500 assinaturas, se solidarizando com proposta de Nelson Chaves. Ele, aliás, montou um dossiê com notícias publicadas na imprensa sobre o assunto e também falando das reuniões que teve, com diversos segmentos da sociedade, discorrendo sobre sua proposta de construir o “Parque de Belém”. (Pararijos NEWS)