Google+ Badge

domingo, 25 de outubro de 2015

"Bobeadas" podem custar o acesso

(Foto: Mário Quadros/Diário do Pará)
Para que um time consiga o acesso no Brasileiro a receita é bastante simples: vencer, obrigatoriamente, os jogos como mandante e, de quebra, beliscar pontinhos preciosos fora de casa. Tudo o que o Paysandu até o jogo de ontem, contra o Sampaio Corrêa-MA, em São Luis, do Maranhão, não havia conseguido fazer neste returno da Série B do Nacional, no qual o time cumpre campanha bem inferior à feita no primeiro turno, o que lhe custou a saída do G4 da competição. Nas 12 partidas feitas até pisar o gramado do Castelão, o Papão deixou escapar pontos que pareciam certos, principalmente nos jogo em que teve o mando de campo. 
Algumas das partidas em que o time bicolor não conseguiu pontuar foram contra equipes apontadas como fora da briga pela disputa de uma das quatro vagas na elite. Foi o caso, por exemplo, da última apresentação diante de sua torcida, quando não passou de um empate com o modesto Macaé-RJ. Antes, porém, o Papão já havia desperdiçado, só no returno, outros cinco pontos ao cair frente ao Náutico-PE (1 a 0) e empatar com o Bahia-BA (0 a 0). O retrospecto não é nada diferente do turno, quando a equipe deixou escapar a mesma pontuação atuando no Mangueirão, ao ser derrotado pelo Botafogo-RJ (1 a 0) e empatar com o Sampaio Corrêa-MA e Mogi Mirim-SP (1 a 1, em ambos os jogos).
No total, portanto, a torcida bicolor viu o time deixar escorrer entre os dedos um total de 14 pontos, que poderiam deixar o representante do Norte, hoje, na liderança do campeonato, com 62 pontos, seis a mais que o alvinegro carioca. Contabilizados outros jogos em que o time, mesmo fora de casa, foi superior ao adversário, mas, por uma razão ou outra, deixou de faturar ao menos um empate, como recomenda a receita de acesso, a situação seria ainda mais tranquila. Entre esses jogos estão, por exemplo, as derrotas, curiosamente, ambas pelo placar de 2 a 1, diante do Macaé, no turno, e Atlético-GO, no segundo turno do campeonato. 
(Nildo Lima/Pararijos NEWS / Diário do Pará)