Google+ Badge

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Parada gay reuniu mil pessoas ontem

Parada gay reuniu mil pessoas ontem (Foto: Ricardo Amanajás)
Marcha tomou a praça Waldemar Henrique na tarde de ontem (Foto: Ricardo Amanajás)
A 14ª Parada do Orgulho LGBT reuniu cerca de mil pessoas ontem em Belém. A caminhada iniciou por volta do meio-dia, com concentração na Praça Waldemar Henrique. Com o tema “Travestilidade e Transexualidade”, o evento foi marcado pela diversidade e pluralidade de gêneros. 
A advogada Fabrícia Silva, de 43 anos, se autodenomina como uma mulher “SIS” (companheira de um homem transexual). Ela conta que possui uma vida conjugal normal com o parceiro, ainda que ele possua essa orientação sexual. “Desde que o conheci, percebi que ele era diferente. Mas isso não afetou em nada a nossa relação. Eu o apoio e sei da dificuldade em ultrapassar as barreiras do preconceito da sociedade”, afirma. Duda Lacerda, integrante da coordenação do evento, relata que a garantia de direitos ainda é um sonho a ser alcançado por esse público. Ela conta que somente neste ano será inaugurado um ambulatório para travestis que passam por tratamento hormonal. “Como a maioria faz uso incorreto de hormônios, as sequelas são imediatas. Agora esperamos que esse local funcione regularmente”, diz Lacerda.
Dados da Ouvidoria Nacional e do Disque Direitos Humanos mostram que, entre 2011 e 2014, foram registrados mais de 7.600 denúncias de violação contra a população LGBT. Só no ano passado, 232 casos de violência contra travestis e transexuais foram registrados. Os Estados com maior número de registros foram São Paulo (53 denúncias), Minas Gerais (26) e Piauí (20). A discriminação é a maior citação das denúncias: foi a causa de 85% dos registros. A violência psicológica é citada em 77% dos casos.
(Pararijos NEWS/Wal Sarges/Diário do Pará)