Google+ Badge

domingo, 18 de outubro de 2015

Contaminação não deve afetar água captada em Belém

Contaminação não deve afetar água captada em Belém (Foto: Bruno Carachest)
(Foto: Bruno Carachest)
São baixas as possibilidades de contaminação do Rio Guamá, em consequência do acidente ocorrido no Porto de Vila do Conde, em Barcarena, no ponto que capta água para abastecer a Região Metropolitana de Belém, de acordo com informações da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa).
A Companhia afirma que o movimento de resíduos do acidente ocorrido em Vila do Conde segue na direção do oceano como fluxo preferencial, mesmo com a influência das marés, ou seja, em sentido contrário à posição da tomada d’água da companhia no Rio Guamá.
Segundo o setor operacional da Cosanpa, a experiência de operação do sistema de captação ao longo dos anos demonstra, atualmente, baixo índice de influência residual das marés no local da captação para determinar isso, são usados indicativos como acompanhamento diário da salinidade da água captada.
Neste período do ano, a água captada tem apresentado níveis baixos de salinidade, o que revela baixo potencial de carreamento de resíduos do oceano (Baía do Guajará) em direção ao ponto de captação.
CONTAMINAÇÃO PELO ÓLEO
De acordo com a Cosanpa, as chances de contaminação da água no Rio Guamá, no local de captação, também são baixas: a captação do rio ocorre em poço de sucção a cerca de doze metros de profundidade, o que reduz a probabilidade de contaminação por eventual ocorrência de óleo no local, já que esse produto concentra-se na superfície d’água e não nas profundezas do rio.
A Companhia afirmou ainda que algumas medidas estão sendo tomadas como a intensificação no monitoramento da qualidade da água na captação: a periodicidade foi dobrada e conta com  o apoio técnico do Instituto Evandro Chagas para análise de parâmetros não exigidos ordinariamente pela Portaria do Ministério da Saúde que se refere à qualidade da água.
O abastecimento de água derivado de captação subterrânea (poços) não corre risco de eventual contaminação, de acordo com a Cosanpa, em razão da profundidade dos poços (mais de 200 metros) e das localizações, sendo a água captada de camadas confinadas (artesiano).
(Pararijos NEWS/DOL)