Google+ Badge

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Desastre alerta o Brasil

O governo federal decretou “estado de emergência” em Barcarena, no Pará, e em outros sete municípios brasileiros: Japonvar (MG), Ipê (RS), Riozinho (RS), Sarandi (RS), Venâncio Aires (RS), Vidal Ramos (SC) e Dois Córregos (SP). A decisão, publicada pelo Ministério da Integração Nacional, na edição de ontem do Diário Oficial da União, é anunciada um mês após o desastre ambiental no porto de Vila do Conde, em Barcarena, administrado pela Companhia Docas do Pará. No dia 6 de outubro, o navio Haidar, de bandeira libanesa e que transportaria cinco mil bois vivos para a Venezuela, afundou, causando um acidente sem precedentes na região. O óleo que vazou da embarcação contaminou praias de Barcarena. O óleo também chegou a comunidades ribeirinhas desse município, de Abaetetuba e de Belém, deixando donos de barracas e pescadores sem poder trabalhar.
O estado de emergência, decretado pelo governo federal, é uma medida tomada em circunstâncias especiais, para justificar poderes especiais, suspensão de leis vigentes ou restrições de liberdade, de direitos e de garantias. Já a situação de emergência é uma situação anormal, provocada por desastres, causando danos e prejuízos que comprometam parcialmente a capacidade de resposta do poder público do ente atingido.
Carcaças de bois foram parar, em maior número, na praia de Vila do Conde, de onde foram retiradas posteriomente, depois de exalar um odor insuportável, que causou problemas de saúde em moradores. Mas esses animais também chegaram às comunidades ribeirinhas. Em Barcarena, o governo federal decretou o “estado de emergência” por causa do “derramamento de produtos químicos em ambiente lacustre, fluvial, marinho e aquíferos”. Logo após o desastre, o prefeito de Barcarena, Antônio Carlos Vilaça, disse que o município enfrenta “uma das piores tragédias ambientais de sua história recente, depois que um navio afundou no porto de Vila do Conde”. (Pararijos NEWS)