Google+ Badge

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Revista decide abolir o nu



Um dos assuntos mais comentados de ontem foi a decisão da edição norte-americana da revista “Playboy” de não mais publicar ensaios nus por causa da concorrência de sites e blogs pornográficos. Para os donos, a internet tornou desnecessária a nudez em veículos impressos, deixando as revistas eróticas sem força comercial. Sendo assim, a partir de março de 2016, a publicação continuará com suas musas em poses sensuais, mas sem nu frontal. Vale ressaltar que a decisão anunciada ontem, por enquanto se restringe à edição norte-americana da “Playboy”. A versão brasileira, por enquanto, continua publicando os ensaios fotográficos com nudez.
Estrela de três capas da edição brasileira da “Playboy”, sendo que duas estão na lista das dez mais vendidas de todos os tempos, Sheila Mello lamentou a decisão, mas não ficou tão surpresa. “É uma pena o que está acontecendo. Sempre posei pela grana e não pela vaidade. Se não vende mais, não tem cachês altos e nem estrelas na capa. É uma reação em cascata”, opina a eterna loira do ‘É o Tchan’ que, nos tempos áureos, em 1998, teve seu primeiro ensaio fotografado no Havaí.
Antonia Fontenelle, uma das últimas capas da “Playboy” a gerar grande repercussão e curiosidade em todo o País, concorda com Sheila Mello. “Tudo vai parar na internet... A minha, felizmente, ainda demorou umas duas semanas”, relembra.
Para Antonia Fontenelle, a falta de mulheres famosas na capa também afastou os leitores das bancas. “A ‘Playboy’ perdeu força e não tem mais grana para bancar as grandes estrelas da TV e do cinema, colocam qualquer uma. Se tivessem ainda as grandes estrelas, iria voltar aos tempos áureos. Imagina uma Paolla Oliveira na capa?”, aposta ela. “Vai ter que acontecer uma reavaliação grande porque banalizou-se muito a nudez. Fico triste ao ver isso”.
Os mais saudosistas vão lembrar que a proposta apresentada pela edição americana para o futuro da revista lembra o ensaio de Lucinha Lins, que posou em agosto de 1984 para celebrar o nono aniversário da publicação no Brasil. Seu ensaio não tinha nudez explícita, apenas com fotos sensuais inspiradas em Marilyn Monroe.
“Estava sendo lançada essa coisa flou nas fotos e o (fotógrafo) J.R. Duran quis usar no meu ensaio esse tratamento diferenciado. Naquela época agradou muito e hoje existe a vontade de fazer algo diferenciado também”.
“Hoje em dia não tem mais a surpresa de antigamente. O problema é que o nu virou lugar comum. Você vê peitos, bundas e x... em qualquer lugar, basta ir à praia”. (Pararijos NEWS)