Google+ Badge

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Mulheres relatam assédio sofrido em coletivos

Mulheres relatam assédio sofrido em coletivos (Foto: Reprodução)
Não deixe que ônibus lotado seja motivo para assédio dentro de coletivos. Denuncie! (Foto: Reprodução)
“Ela estava sentada na parte traseira do coletivo quando um outro passageiro, sentado na mesma fileira, começou a se masturbar, olhando o tempo todo para ela. Ele usava inclusive um preservativo para exibir o ato obsceno”. Uma situação que para alguns é considerada um absurdo,  o fato parece ser mais recorrente do que se imagina.
Após o relato de assédio dentro de um coletivo em Belém, outras vítimas resolveram denunciar e muitos outros casos de “abuso” vieram à tona.
“Isso acontece em todos os lugares, infelizmente. Aconteceu comigo também, eu me afastei duas vezes e o vagabundo ia pra onde eu estava e ficava se esfregando. Indignada, eu gritei pro ônibus todo ouvir se ele iria demorar pra terminar ou queria que eu me mexesse pra poder terminar. Eu xinguei ele horrores e ele desceu do ônibus na parada seguinte. Esse tipo de gente só pode ser doente”, diz Ana Maia Reis.
A vergonha, o medo e a falta de apoio estão dentre os fatores determinantes para que as mulheres se calem. Larissa Leite, vítima de assédio em coletivo, mesmo colocando a boca no trombone contra o acusado, não teve apoio das pessoas que estavam no transporte. “Eu já passei por isso e é horrível. Pior que eu gritei e ninguém no ônibus fez nada. Isso não é novidade pra ninguém, acontece sempre”, desabafa indignada.
“Aconteceu comigo ontem. Acredita que era um senhor de 65 anos, e além disso ainda furtou meu celular da bolsa. Eu fiz um escândalo no ônibus, a população pegou ele e deu muita porrada e no final ele foi preso”, conta Lauh Sophia Guedes.
O que muitas não sabem, é que casos de assédio no transporte coletivo podem e devem ser denunciados não só pela vítima, mas também por quem presenciou o ocorrido. (Pararijos NEWS)