Google+ Badge

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Insegurança toma conta dos rios do Pará

Insegurança toma conta dos rios do Pará (Foto: Antonio Cícero)
A ação de piratas é constante nos rios do Pará. Prejuízos são enormes. (Foto: Antonio Cícero)
Para o Grupo Chibatão, detentor do maior complexo portuário particular da América Latina, e atuante na logística do setor como referência nacional dentro da região Norte, a Segurança Pública do Estado do Pará está em “total descrédito”. A afirmação vem da própria gerência de segurança patrimonial da empresa, depois que, no início da manhã do dia 6 de novembro, teve uma de suas balsas, vinda de Manaus (AM) em direção a São Paulo, conduzindo carretas com produtos eletroeletrônicos, saqueada na Baía do Capim, próximo de Abaetetuba, no Nordeste paraense. O Grupamento de Polícia Fluvial teria sido comunicado por volta das cinco da manhã, mas só teria aparecido horas depois – mesmo com plantão em atividade desde as 20h da noite anterior – e apreendido somente 50 televisores roubados, quando pelo menos cinco mil televisores de LCD e Plasma, dentre outras mercadorias, teriam sido levadas de 32 carretas arrombadas.
Ainda de acordo com o Grupo, após algumas prisões e apreensões de cerca de 1% da carga saqueada, saiu em operação para o Estado do Amapá, sem nenhuma relação com o delito ou seus responsáveis, não realizando sequer a apreensão de um único televisor, tendo a sede do GFlu ficado fechada. A empresa garante ainda que ofereceu, desde o primeiro momento, todo o apoio necessário para que o crime fosse investigado, mas “até o momento, nenhuma ação foi direcionada para este caso, restando o amargo sabor da impunidade e de um prejuízo de grande ordem à empresa e seus clientes, que rotulam o Estado do Pará e suas instituições, dentre elas a Polícia Civil, como inertes e ineficazes num claro descaso dos órgãos policiais”, reforçou a gerência de segurança patrimonial da Chibatão, em comunicado divulgado à imprensa.
POLÍCIA INVESTIGA
Sobre o ocorrido, a assessoria de imprensa da Polícia Civil, procurada pelo DIÁRIO, se manifestou em nota informando que por meio da Delegacia de Polícia Fluvial (DPFlu), prossegue as investigações sobre o ocorrido e que sete pessoas foram presas em flagrante na ocasião de posse de mercadorias furtadas e autuadas por furto, arrombamento e concurso de pessoas. Repassa ainda que foram recuperados mais de 60 produtos, entre televisores, condensadores automotivos; barbeadores, entre outros, e que sob presidência do delegado Felipe Pinheiro, titular da DPFlu, as investigações prosseguem para identificar outros envolvidos no crime.
(Diário do Pará)