Google+ Badge

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Impasse na eleição do Remo

A primeira eleição direta para a escolha do presidente do Clube do Remo, realizada no sábado, está sendo questionada e pode acabar na Justiça Comum. Representantes da Chapa 1, encabeçada pelo candidato Zeca Pirão, derrotada nas urnas, entraram ainda no sábado com pedido de impugnação de cinco das dez urnas utilizadas no pleito. A medida só foi tomada após o encerramento da apuração dos votos, que apresentou a vitória do candidato da Chapa 1, Pedro Minowa, por uma vantagem de apenas 18 votos.
“Lamento muito a decisão da chapa 1 em tentar levar a eleição no tapetão, pois eu venci o pleito democraticamente, mesmo tendo contra mim a situação e praticamente todos os cardeais (grupo formado por beneméritos e grandes beneméritos do clube). Ou seja, foi a vitória de Davi contra Golias”, disparou o candidato Minowa, argumentando que a reclamação dos adversários só foi feita depois que a contagem dos votos havia sido oficialmente encerrada.
“O que a Chapa 2 quer é que as regras sejam seguidas, que haja lisura no pleito e transparência nas eleições. É isso que o associado do Remo espera e precisa neste momento de dificuldades pelo qual o nosso amado clube está passando. Mas se eles quiserem brigar na Justiça nós não vamos fugir da luta”, ressaltou Minowa, pouco antes de ser erguido nos ombros de seus companheiros de chapa para festejar, mesmo que de forma tímida, o triunfo nas urnas.
As eleições ocorreram das 8h30 às 17 horas do último sábado, no Ginásio Serra Freire, na sede social do Clube do Remo, no bairro de Nazaré. Ao todo, participaram pouco mais de 1.300 dos 9 mil sócios aptos a votar. A chapa 1, liderada pelo atual presidente, recebeu 629 votos, 18 a menos que a chapa 2, de oposição, que somou 647 votos.
No entanto, após conhecerem o resultado da apuração, os representantes da situação alegaram que cinco urnas que apresentaram diferença entre a quantidade de votos e o número de assinaturas na lista de votação deveriam ser impugnadas. Desta forma, o resultado dos outras cinco urnas seria o único válido. O que alteraria o resultado do pleito, garantindo a vitória de Zeca Pirão.
“As cinco urnas em questão foram contaminadas, pois em algumas delas havia mais votos do que os nomes das pessoas que assinaram a lista de votação. E pelo que eu sei, em nenhum lugar do mundo essas urnas seriam sequer incluídas na totalização dos votos. Por isso, nós queremos que elas sejam impugnadas”, argumentou Zeca Pirão. Adiada – Ainda no Ginásio Serra Freira, o presidente da Comissão Eleitoral, Altemar Paes, anunciou sua decisão de manter o resultado das urnas e proclamar Pedro Minowa como novo presidente do Remo. No entanto, os outros dois integrantes da comissão, Roberto Porto e Carlos Gama, preferiram adiar suas decisões para hoje à noite.
“Por mim prevaleceria a vontade do eleitor e o Pedro Minowa seria proclamado presidente do Remo hoje (sábado) mesmo. Mas, infelizmente, fui voto vencido e os meus dois colegas de comissão preferiram deixar a decisão sobre o pedido de  impugnação para a segunda-feira, quando voltaremos a nos reunir”, declarou Paes, que, curiosamente, atuou como juiz eleitoral nas eleições gerais deste ano.
O Liberal